Tagged: Seleccionador Nacional

O sucesso nas grandes penalidades nem sempre é apenas uma questão de sorte.

Sejamos justos, saímos com HONRA. A imagem de Portugal sai intocável para o exterior e para os portugueses. Mas, em jogos destes, os pormenores fazem toda a diferença, por isso o que há a falar e bem é interno. O que há a falar tem a ver com gestão de emoções, gestão de momentos e liderança. É dos livros que a imagem de uma Equipa, marca o 1º ou o 4º penaltie. Lembram-se da importância do penaltie marcado pelo Pilro? Virou por completo o curso da marcação dos penalties, motivando a sua Equipa. Se Ronaldo se guardou para o quinto fez mal, se Paulo Bento sendo o treinador aceitou essa decisão, ainda fez pior. Que por vezes a marcação de grandes penalidades são apenas uma lotaria, é verdade, aqui não foi o caso. Que se aprenda com isso. Outra análise é ainda mais preocupante, esta Selecção ainda é bisneta de algo que se fez com tempo. Com o reinado de Madaíl, sem qualquer atenção prestada às camadas de formação, não vejo um futuro nada brilhante. Estamos 10 anos atrasados sobre o que deve ser a gestão de uma Selecção Nacional. Não é apenas viver à sombra da Equipa Sénior, a base, aquilo que a alimenta é tão ou mais importante. Enfim, não vale a pena relembrar o que tenho dito ao longo dos últimos anos. Apesar de tudo, obrigado Selecção, a HONRA das Quinas saiem intocáveis. Obrigado pelo que nos deram. Não aponto o dedo a jogador nenhum, apenas a uma falha de pormenor de liderança, ou falta dela. Agora levantem-se e vejam o que deve ser feito.

LEVANTA A CABEÇA COENTRÃO

Sr Octávio Machado, a que titulo esteve o Pinto da Costa nessa “reunião”?

Octávio Machado  antigo treinador do Sporting e do FC Porto explicou ontem na rúbrica “O Mister responde do Correio da Manhã” a razão de ter sido ‘afastado’ de técnico da Selecção e aborda a influência dos empresários.

À pergunta,

“Já esteve para integrar uma equipa técnica da Selecção. O que falhou?”

Respondeu:

“Fui formalmente convidado e aceitei. Fui convidado a dar uma entrevista a dizer bem dos irmãos Oliveira [Joaquim e António] e não dei. Depois de uma reunião num hotel de Lisboa, onde estiveram o sr. Pinto da Costa, Gilberto Madaíl, Artur Jorge, João Rodrigues e outro senhor, foi-me comunicado por um jornalista que tinha sido substituído pelo Raul Águas. Na altura, estava em Itália com o Sporting.

As influências existem, são reais. Há quem seja influenciável e quem não se deixe influenciar.”

Agora pergunto eu Sr Octávio Machado, apelando à sua recente frontalidade,deixo no ar esta pergunta: A que titulo esteve o Pinto da Costa nessa “reunião“?