Tagged: Pinto

Retidos os prémios monetários do Sporting Clube de Portugal. Queixam-se agora do quê?

O Comité de Controlo Financeiro de Clubes da UEFA decidiu esta terça-feira reter preventivamente os prémios monetários do Sporting Clube de Portugal e de mais 22 clubes presentes nas competições europeias em 2012/2013. Talvez já seja tarde para os sportinguistas perceberem o verdadeiro motivo de se encontrarem onde se encontram “de calças na mão”. Nós lembramos:

O famoso “Projecto Roquette“, recordam-se:
A 15 de Fevereiro de 2006, João Rocha antigo presidente do Sporting confirmou o que apenas tacitamente era conhecido.

A existência de uma aliança ou reforço da mesma entre (FC) Porto e Sporting desde 1999-2000 feita pelos presidentes Jose Roquete e Pinto da Costa.

Não quero desestabilizar nem ofender ninguém, até porque se são aliados não tem mal, agora em termos históricos se se intitulam de “grandes” estranho que que não saibam ou queiram agir como tal e por conta própria. Com isto concluo que Benfica é então acima de “Grande” para o Sporting e Porto.  Será que apenas fui especulativo? Que acham benfiquistas? Serão Sporting e Porto um só clube (o anti-benfica)? Perpétuo? A estratégia, ou falta dela, daquele que um dia foi por direito próprio o verdadeiro e leal rival do Sport Lisboa e Benfica conhece mais um capítulo no cada vez mais claro definhar do SCP. Agora? Agora, continuem a pedir ajuda  ao amigo da onça.

Vem de trás, muito de trás, e por estratégia do FC Porto a união de forças com o Sporting com o único objectivo de juntos procurarem atingir a grandeza do Sport Lisboa e Benfica. Realidade que vem dos tempos de Pinto da Costa e Pedroto.  Já por parte do Sporting, apenas posso apelidar de “Santa ingenuidade” esta “Santa Aliança”. Apenas conseguiram passar a ser um clube subalterno, cuja face visível são as gerações de ódio criadas para com o Sport Lisboa e Benfica.

Especulativo? Não, não fui. É bom recordar como factos passados podem e influenciam o presente.

A 15 de Fevereiro de 2006, João Rocha antigo presidente do Sporting confirmou o que apenas tacitamente era conhecido.

A existência de uma aliança ou reforço da mesma entre (FC) Porto e Sporting desde 1999-2000 feita pelos presidentes Jose Roquete e Pinto da Costa.

O objectivo era claro, esta aliança visava abater o Benfica afastando-o dos 1º e 2º lugares do Campeonato ou seja da liga dos Campeões. Quem o afirmou? Foi precisamente João Rocha que certificou publicamente ter saído indignado de uma reunião do conselho leonino ao ouvir José Roquete revelar esta aliança. Segundo as suas palavras “estava previsto que o porto seria quase sempre campeão e ao Sporting caberia o 2 lugar e dessa forma matavam-se dois coelhos com uma cajadada”. Palavras de João Rocha. Com a eleição de Dias da Cunha e tendo o Benfica conseguido classificar-se para a Champions, ultrapassando o Sporting em 2004/05, Dias da Cunha lá resolveu dar um murro na mesa. “O Sistema tem dois rostos, Pinto da Costa e Valentim Loureiro” recordam-se desta frase? Acabou Dias da Cunha por ganhar uma guerra com a tal dupla e com alguns sportinguistas. Surgiu entretanto uma nova personagem nesta santa aliança, e ela foi retomada, Soares Franco. E claro, era habitual vê-lo sorridente ao lado de Pinto da Costa, e a servir de moço de recados do “homem do norte”.

Retidos os prémios monetários do Sporting Clube de Portugal. Queixam-se agora do quê? Talvez os 60? 40? ou 19 Milhões de Euros do Hulk vos possam ajudar.

Pedro Proença. Para lembrar a frase: «É O QUE A GENTE COMBINOU»

Ao ler as declarações de ontem de Proença,  de imediato a palavra “QUEM” fez tocar bem alto e com estrondo o sino. “Quem...” ? “Quem” não é nada !!! Quem diz “quem” sabe ! Quem não diz o que “sabe” ou lhe é indiferente ou terá medo porque estará incluído no “quem”?

Já ninguém ou poucos ligam ao facto de caso após caso toda esta gente implicada no Apito Dourado ter passado impune à justiça, uns por pretensos buracos na lei terem sido aproveitados por ratos de Direito outros por Juízes que condenaram “uma escuta” ao Gondomar e não consideraram dezenas delas a Pinto da Costa.

Mas, creio que ainda mais gente se esquece que Pedro Proença foi mencionado no processo do Apito Dourado. Esquecidos. Nós recordamos, o que uma vez mais se encontra nas gravações:

Na véspera do encontro que decidiria a Supertaça da época de 2003-2004, o presidente do FC Porto preocupava-se em saber quem seria o árbitro que iria dirigir o confronto que poria frente a frente FC Porto e União de Leiria. Assim sendo, nada como obter informações junto de Pinto de Sousa, o presidente do Conselho de Arbitragem.

A frase que saíu? Significativa:

«É O QUE A GENTE COMBINOU»

Na véspera do encontro que decidiria a Supertaça da época de 2003-2004, o presidente do FC Porto preocupava-se em saber quem seria o árbitro que iria dirigir o confronto que poria frente a frente FC Porto e União de Leiria. Assim sendo, nada como obter informações junto de Pinto de Sousa, o presidente do Conselho de Arbitragem.

Mais uma escuta descoberta entre Pintos – o da Costa e o Sousa:

Conversa interceptada entre Pinto da Costa e Pinto de Sousa no dia 30 de Junho de 2003…

…basta esta passagem… Pinto de Sousa para Pinto da Costa:

Pinto de Sousa: – “É…mas vou devagarito, pá, calmamente…vou falar com o Pedro Proença!”

Pinto da Costa: – “Vais?”

Pinto de Sousa: – “…grande jogo em Guimarãe, pá! Vai fazer um grande jogo!”

Pinto da Costa:- “Com recado para não expulsar ninguém”

Pinto de Sousa:- “Eh! Eh! Eh!”

…Nove dias mais tarde, no estádio Municipal de Guimarães, Pedro Proença seria de facto o árbitro da Supertaça. O Porto venceria por 1-0, golo de Costinha aos 55 minutos…

A imprensa unanimente destacou que o único golo da partida Costinha saltou com o guarda redes leiriense tendo este sido nitidamente impedido de chegar à bola pelo jogador portista…

Expulsões…De um jogador adversário.. e assim os Pintos puderam dormir descansados.

Afinal, o termo “quem” em tudo idêntico ao habitual “ah e tal foram eles…” de quem nem fala nem está calado antes pelo contrário, tem nomes associados, certo? Sim, a pergunta é retórica. Afinal, Pedro Proença, como ficamos, o seu nome surgindo no diálogo e com as conclusões óbvias, servem para poder identificar os nomes? Ou ficamos pelos bois?

Não, como é óbvio não nos esquecemos, nem nos iremos esquecer !