Tagged: Maximiliano Pereira

Vitor Pereira, vê se consultas um médico.

As palavras de Vítor Pereira no final do encontro foram surreais. Como é que é possível?

Engraçado foi o conhecido adepto corrupto e comentadeiro Bruno Prata dizer em directo que os corruptos nao se podem queixar de nada, isso que o vitó diz são desculpas de mau pagador. Tive mesmo que me rir quando são os próprios adeptos do FC Porto a gozar com o Vitor Pereira.

Esperemos que o vitó nao seja despedido, nós agradecemos!

O homem anda mesmo muito confuso, será insanidade?

Sobre o lance do segundo golo do Benfica, a marcar falta seria sobre o Luisão que é claramente impedido de disputar a bola pelo saponaru, reparem bem no Luisão com os olhos na bola a tentar chegar-lhe enquanto é agarrado. Quando se consegue soltar(sempre de olhos na bola) desiquilibra-se devido à falta que estava a sofrer, mal se consegue libertar é ver o saponaru a cair disparatadamente para o outro lado, pois era o lado em que ele estava a tentar segurar o Luisão. O lance deu golo, senão era um penalty que ficava por assinalar a favor do Benfica.

Sobre o Vitor Pereira.

Muitas pessoas não sabem o que é um mentiroso patológico . Compulsivo é o que mente envolvendo o conhecimento sobre uma mentira quando ela é contada , mas mentir de forma patológica é algo que acontece involuntariamente. E isso é perigoso se não estiver devidamente medicado.

Os sintomas de um mentiroso patológico

Distorce a verdade em muitas maneiras diferentes , e assume que não faz diferença que eles fazem isso. Quando são confrontados com essas mentiras , este tipo de pessoa pode ficar muito na defensiva e as coisas podem tomar um rumo muito mau para a personagem.

Tenta obter a simpatia ea piedade do povo , falando sobre realidades virtuais e males misteriosos que supostamente vêm.

 Vitor Pereira, vê se consultas um médico.

Sobre Pinto da Costa, mas será que ainda existe alguém que leve a sério este homem? Previsível, senil, enfim, deixa-nos sem qualquer necessidade de lhe dar resposta sequer. A táctica de pressionar árbitros internacionais e mais antigos na função sempre visou lançar avisos aos mais novos procurando deixá-los a tremer. Velho pantomineiro, isso já serve apenas de anedota.

Assinem a petição pelo bem do Estádio da LUZ!

Depois do desarranjo de hoje que este senhor apresentou ao comentar o jogo do BENFICA-porto na SIC, para a Taça da Liga, o BENFICA POWER, decidiu por bem criar esta petição:

Petição Pretendemos que o comentador da SIC, Nuno Luz, altere o seu nome para NUNO DRAGÃO!  (Assinem aqui)

Para: Benfiquistas e Adeptos do jornalismo em geral!

Perante a diarreia mental que apresenta cada vez que comenta um jogo de futebol, principalmente se for do BENFICA contra o Porto, pretendemos que o comentador desportivo da SIC Nuno Luz, se passe a chamar Nuno Dragão!

Não queremos o nome do nosso Estádio associado a desarranjos intestinais!

Paços de Ferreira – Sport Lisboa e Benfica

Paços de Ferreira – Sport Lisboa e Benfica

Jogo no Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira.

Quando a incompetência prevalece ao realizarmos uma determinada tarefa por maior boa vontade que tenhamos o melhor é sabermos admitir não termos competência para determinada função. Se nos mantemos na tentativa de conseguirmos fazer um bom trabalho em algo para o qual não temos qualquer capacidade apenas vejo duas hipóteses, ou somos uns acomodados, ou pior, quem nos lidera tem algum interesse ou amizade em nos manter. Eis o caso de Bruno Esteves árbitro que apitou este jogo. Não creio que seja árbitro da “fruta” (não meto as mãos no fogo nunca mais) simplesmente naquilo do apito é incompetente passando por vezes a fronteira da má índole. Mau, muito mau. Todo o jogo, decisões trocadas e truncadas, e algumas com erros grosseiros. Deixou por marcar dois penáltis a favor do Benfica, trocando num deles a penalidade máxima por uma falta contra o Benfica. Ridículo.

A vantagem com que o Paços saiu para o intervalo era algo injusta. É verdade que a equipa mostrou sempre qualidade de jogo, fiabilidade defensiva e eficácia concretizadora (marcou ao terceiro ameaço), mas os primeiros 25 minutos foram de domínio do Benfica, que não foi capaz de aproveitar quatro boas situações. As três primeiras foram desperdiçadas por Nolito, Saviola e Cardozo, numa fase eléctrica do jogo. Mas o desperdício mais escandaloso surgiu ao minuto 24, quando após uma defesa de recurso de Cássio, Bruno César não acertou na baliza deserta.

A partir daí, o jogo mudou e o Benfica passou por dificuldades, principalmente no seu lado direito, por causa do futebol de Melgarejo. Isso acabou por ser nítido no golo, apontado por Michel.

O Paços não acusou sequer a substituição forçada do lesionado Manuel José, mas nos pratos da balança importa contabilizar um penálti que ficou por marcar a favor do Benfica, aos 43’, quando Bruno César foi derrubado por Luís Carlos.

O Paços entrou melhor no segundo tempo quando no Benfica surgiram Gaitán e Nélson Oliveira. E, depois de dois ameaços, Melgarejo fez a bola esbarrar no poste de Artur. O Benfica sentia dificuldades até nos lances de bola parada, mas o Paços ainda teria um desperdício mais surpreendente aos 58’, quando Artur defendeu o remate de Álvarez e Michel.

Mas o Benfica acabou por beneficiar da eficácia que lhe faltou na primeira parte. Chegou ao empate num lance em que Nélson Oliveira desequilibrou na direita e Gaitán foi certeiro no remate. E concretizou a reviravolta num livre marcado de forma magistral por Bruno César.

Faltava ainda jogar um quarto de hora, mas a tarefa estava facilitada, até porque o Paços ficou reduzido a dez com a expulsão de Michel. Nélson Oliveira ainda seria vítima de um penálti também não assinalado e, nos minutos finais, Ricardo ainda viu o vermelho directo.

– DESTAQUES BENFICA POWER –

– Jorge Jesus –
Lançou dois jogadores ao intervalo e ambos criaram o golo do empate. O Benfica teve 25’ iniciais muito bons, passou depois por dificuldades mas deu a volta à situação.

– Bruno César –
Marcou o golo da vitória com uma execução genial de um livre, sofreu um penálti não assinalado e criou boa parte dos desequilíbrios na área do Paços.

– Melgarejo –
O paraguaio foi o melhor em campo e alguma coisa andará mal se não fizer parte do plantel do Benfica na próxima época.

Ficha de jogo;
P. Ferreira, 1
Benfica, 2

Jogo no Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira.
Espectadores Cerca de 5.500

P. Ferreira: Cássio, Nuno Santos, Filipe Anunciação, Ricardo, Luisinho, André Leão, Luiz Carlos (Ozéia, 80’), Vítor (Christian, 87’), Manuel José (Arturo Álvarez, 34’), Melgarejo e Michel. Treinador Henrique Calisto.

Benfica: Artur, Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Capdevila, Javi García, Axel Witsel, Bruno César, Nolito (Gaitán, 46’), Saviola (Nélson Oliveira, 46’) e Cardozo (Rodrigo, 90’+1’). Treinador Jorge Jesus.

Árbitro: Bruno Esteves, de Setúbal. Amarelos Javi García (10’), Michel (28’ e 76’), Bruno César (42’), Luisão (49’), Luiz Carlos (67’), Nélson Oliveira (83’), Maxi Pereira (85’) e Artur (90+3’). Vermelho por acumulação Michel (76’). Vermelho directo Ricardo (88’).

Golos: 1-0, Michel (28’); 1-1, Gaitán (63’); 1-2, Bruno César (68’).