Nas bancadas cantava-se “Michel Platini…. la la ala”

In http://www.slbenfica.pt

Só quem não viu as duas partidas que colocaram frente-a-frente Benfica e Chelsea é que poderá questionar qual o motivo por que se cantava “Michel Platini…. la la ala” nas bancadas! Nós explicamos: Duas arbitragens escandalosas, a mostrarem que o peso dos milhões e dos patrocínios vale muito mais do que o futebol bonito, de classe e bem jogado. E aqui entra o nosso Benfica! Contra tudo e contra todos, injustamente eliminados, mas a mostrar ao Mundo do Futebol por que motivo somos o Glorioso!

Ambiente excepcional em Stamford Bridge! Noite de Campeões, noite de emoções à flôr da pele, com os adeptos benfiquistas – cerca de três mil nas bancadas – a mostrarem por que motivo este nosso Clube é mesmo o maior do Mundo ao nível de associados. Que orgulho!

Em jogo estava, nada mais, nada menos, que a passagem às meias-finais da Liga dos Campeões, isto num ano em que se comemora os cinquenta anos da conquista do Bicampeonato Europeu. Prestígio desportivo, importante encaixe monetário mas, acima de tudo, a valorização de um emblema com 107 anos de história… e este último tópico nem o afastamento da prova impediu, bem pelo contrário!

Depois da derrota, por 1-0, na Catedral, com Kalou a materializar uma vantagem longe, muito longe de ser justa (com uma arbitragem que prejudicou o Benfica), o Glorioso viajou até Londres com apenas um pensamento: dar a volta à eliminatória, seguir em frente e, para isso, era preciso marcar golos.

Com um onze “remendado”, face às inúmeras lesões no sector defensivo, foi sem um central de raiz que o Benfica subiu ao relvado. Momentaneamente assustador – admita-se! – os “heróis” que entraram em campo logo mostraram que não havia motivos para medos. “Quem não tem cão, caça com gato”, já diz o ditado popular, e no Futebol há alturas em que as idiossincrasias do mesmo são capazes de deitar por terra qualquer táctica ou técnica ensaiada.

E os primeiros minutos foram sintomáticos! Um Benfica muito desfalcado, mas de crer e raça a mostrar ao que vinha, frente a um Chelsea “à italiana”, a dar a iniciativa de jogo ao adversário, na expectativa do contra-golpe.

Ai que sorte malvada!

E se na antevisão à partida Jorge Jesus falava na tal pontinha de sorte que faltara à equipa na Luz, o que dizer deste encontro? O Benfica carregou, carregou e o Chelsea… na primeira vez que chegou à baliza de Artur conquistou uma grande penalidade. Na conversão, Lampard não falhou e colocou os ingleses a vencer, com dois golos de vantagem na eliminatória.

O Benfica não vacilou e, aos 29’, Cardozo teve nos pés soberana oportunidade. Terry cortou “in extremis”, em cima da linha de golo. Ai sorte, sorte malvada! A equipa carregava… mas há “coisas” (leia-se milhões!) que têm muita força. É que se o Benfica tentava remar contra tudo e contra todos, aos 40’, o árbitro – o mesmo que desde o início condicionou e inclinou o campo – expulsa Maxi Pereira, com a amostragem do segundo amarelo e respectivo vermelho. Vergonhoso!  Assim é impossível. Aliás, já na primeira mão o Benfica fora prejudicado na Luz, com a não marcação de uma grande penalidade escandalosa.


Com alma e coração!

Se a jogar com onze já estava difícil, com menos um… Mas o Benfica não baixou os braços e, aliás, alguém reparou que estávamos em desvantagem numérica? Primeiro Cardozo (que grande defesa de Cech), depois Aimar fizeram os corações benfiquistas vibrar logo no início da segunda metade.

Jorge Jesus fez o que podia – com o que tinha – e o Benfica continuou a mostrar à Europa do Futebol que, mesmo face aos milhões e contrariedades de diversa ordem, este é um Clube digno, com honra, orgulho e enorme coração, com os melhores adeptos do Mundo, e que só dá a batalha por terminada quando soa o apito final! Por isso cantamos “Eu sou Benfiquista, com muito orgulho e muito amor”…. E hoje, independentemente do resultado, cantámo-lo com alma!

Aos 85’, na marcação de um canto, Javi García sobe mais alto e empata o desafio… faltava um golo apenas e a equipa dava tudo em campo! O Chelsea tremia, aliás, tremeu em largos momentos da eliminatória, mas lá veio a malfadada sorte novamente. Num contra-golpe viperino, o número 16 da formação inglesa (num lance precedido, na nossa opinião, de pé em riste), faz o 2-1 e coloca um ponto final na aventura benfiquista na Champions 2011/2012.

Vamos a números: O Benfica foi afastado da Liga dos Campeões, ficando-se pelos quartos-de-final, depois de ter sido derrotado, por 3-1, no cômputo da eliminatória, frente ao Chelsea.

Nota final para a arbitragem: Em ambas as mãos, o peso dos milhões e respectivos patrocínios valeu bem mais do que os tostões portugueses. Incrível dualidade de critérios, quer na marcação de faltas, quer na amostragem de cartões. É que se é para deixar jogar, é para os dois lados. Quanto à grande penalidade cometida por Javi García, até se pode aceitar a decisão. Mas por que motivo não se marcou o penálti cometido de forma escandalosa por Terry na primeira mão, na Luz? À atenção (se, porventura, lhe interessar) do senhor Platini!

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Artur Moraes; Maxi Pereira, Javi García, Emerson e Capdevila; Matic, Witsel, Aimar, Gaitán (Gaitán, 61’) e Bruno César (Rodrigo, 72’); Cardozo (Nélson Oliveira, 57’).

Fonte: Site Oficial do Sport Lisboa e Benfica 

Anúncios

3 comments

  1. SpermaPower

    Subimos muitos degraus na Hierarquia Europeia. Para o ano vamos voltar, sr Platini. NUNCA VAMOS DESISTIR! sr Platini, exigimos mais Respeito. Somos uma equipa de dimensão mundial e vamos demonstrar em qualquer campo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s